quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Um fim de semana com X

(...)
Levei-o para o quarto e deitei-me sobre a cama. Ele abriu-me as pernas e mergulhou o rosto entre as minhas coxas. Sem me tirar a tanga começou a lamber-me por cima do tecido. A língua ia sugando os meus lábios vaginais ao mesmo tempo que os seus dedos continuavam a puxar a minúscula peça de roupa cada vez mais enfiada no meu sexo e no meu rabo. O tecido estava cada vez mais ensopado, quer pelo suco do meu sexo, quer pela saliva da sua boca. Tinha vontade que ele me despisse e que a sua língua entrasse fundo dentro de mim, mas ele ia brincando com a pequena peça branca , como se me quisesse provocar. Ao fim de algum tempo, as suas provocações começaram a despertar-me a vontade de responder com outras provocações. Afastei-lhe o rosto e despi-me por completo. Depois mandei-o deitar. Ele obedeceu. Agarrei na tanguinha ensopada e coloquei-a sobre a boca dele. Estiquei a parte que me tinha tapado o sexo sobre os seus lábios. E beijei-o na boca. Beijámo-nos com ela entre os nossos lábios. Sentia a sua língua que procurava entrar na minha boca mas que não podia pela barreira de tecido. A minha língua fazia o mesmo e o beijo transformou-se num momento de um carregado erotismo Eu sentia naquele beijo o gosto do meu sexo impregnado na tanga, misturado com outros gostos, da sua saliva e da minha própria boca.
(...)



Afrodite