sábado, 3 de abril de 2010

ESPADA

(AD)

a palma da mão
aberta
a gota
de óleo
cai
se esparrama
outra mão
uma contra a outra
as mãos cheias
do óleo
e tu então
pega a espada
afiada
e te pões
a deixá-la
preparada
para
a função
à qual
é dedicada
fazer morrer
de amor
o teu ser
tu cuida
da espada
com carinho
tu acaricia
tu tocas
com cuidado
tu levas o óleo
por toda ela
e deixa pronta
para teu deleite
então te deitas
e oferece
a bainha
para o encaixe
tu mostras
VEM POR AQUI
o caminho mais curto
para entrar em ti
e fecha os olhos
para sentir
a espada
entrando toda
o teu suspiro
me diz
VAI DEVAGAR
que tua espada
vai me alargar...
então
eu ponho
no encaixe
e tu gemes
e sentes
a espada
entrar
e sentes
o meu pulsar
o meu correr
a despedaçar
o teu ser
e tu queres
mais da espada
dentro de ti
e pedes então
não sai
CONTINUA AÍ...
eu te esfaqueio
a bainha
e tu te entregas
ao teu guerreiro
a bainha cheia
de minhas carnes
eu entrado em ti
e continuo
a te sentir
como parar
de te ferir?




retirado do blog http://tuadevassa.blogspot.com/ **cadela simplesmente**

Um comentário:

T I N I N disse...

EROSSSSSSSSS
Que lindo!
Adorei!
Adorei tambem seu comentario no meu conto, la no Seximaginarium.
Valeu!
Beijo
T I N I N