terça-feira, 16 de março de 2010

carta de Anais Nin a Henry Miller, trecho

“Perdemos nosso juízo– para June. Ambos, você e eu, seguiríamos-na até a morte… nestes momentos. Ela destruiu realidade. Ela destruiu a consciência. (Você diz que vc não tem nenhuma – digo que eu não tenho nenhuma , mas isso não é tão verdade sobre nós como é sobre June. Por exemplo: Então considere, por que você é sempre tão pensativo sobre Hugh?

June não é tão perturbada pela verdade. Ela Inventa sua vida e segue em frente – ela não vê nenhuma diferença entre ficção e realidade. Como amamos isso em June – leva sua imaginação seriamente.

Às vezes, você quer seguir June até morte, mas em outros você reage violentamente com uma afirmação vigorosa de sua própria vivência magnífica. Inconscientemente, você tem empurrando-me para dentro da escuridão.

Eu não necessitei muito assim de um empurrão. Uma pequena palavra sua contra a mente… Você entende? Meu ser está sendo dividido ao meio, está desmoronando.

Pensei que minha razão de ser fosse minha mente. Pensei que fosse fácil(ao menos para mim) ser exaltado, viver na linha da vida e da morte como June faz, entregar-se até a morte… a coisa mais dura é parar repentinamente, parar porque alguém apela lamentavelmente a sua razão como a um presente maior.

Eu quis, quando alguém vem pleiteante a mim, entender, lucidamente. O Pouvoir, meio de au de la folie, humaine de redevenir et pitoyable[francês]. Mas a cada dia tenho menos força para fazer tanto. Ele é que tem a coragem de machucar… para grandes razões… ele sempre faz o bem. Isso é June.

Algum dia talvez eu possa compartilhar inteiramente, inteiramente a loucura de June. Questiono minha mente antes que se vá”.

2 comentários:

Seduction Games disse...

Gostei daqui, voltarei mais vezes...Beijos.

pornografo disse...

É de que livro esta carta?????